R. Vila Cristina, 382 - São José - Aracaju/SE

79 - 98131-8829

Tubo de ensaio contendo um líquido verde e uma floração de microalgas. O tubo de ensaio está dentro de um béquer de vidro.

Microlagas: o que são, onde estão e para que servem?

 

As microalgas podem ser definidas e descritas como organismos unicelulares e microscópicos que chamam atenção por sua singularidade: apesar de serem organismos aquáticos e realizarem  fotossíntese, não são consideradas plantas. Por apresentarem mecanismos metabólitos similares aos das plantas, esses microrganismos algais são facilmente confundidos por elas, porém as microalgas assim como as macroalgas se diferem das plantas em sua estrutura. As algas são incapazes de formar tecidos específicos, produzir flor, raízes, caules e folhas, além de não possuírem vascularização. 

Imagem: Visão microscópica da microalga Chlorella (fonte: Wikimedia)
 

Os microrganismos algais podem ser classificados por suas estruturas celulares  (eucariontes e procariontes). As representantes da categoria de procariontes se restringem praticamente às cianobactérias, enquanto que as eucariontes são representadas  por várias divisões, como Chlorophyta, Euglenophyta e Rhodophyta. Além disso, as microalgas podem ser classificadas de acordo com os seus habitats naturais: sedimentos de ambientes aquáticos, superfícies de gelos ou geleiras, nas correntes aquáticas ou em ambientes terrestres. 

Responsáveis por grande parte da produção da matéria orgânica da Terra e pela maior parte da produção primária dos oceanos, estes microrganismos são de grande importância para  a manutenção dos processos ambientais e para a manutenção da vida terrestre. Como qualquer outro organismo, as microalgas necessitam de nutrientes em quantidade suficiente e de luz solar adequada para que possam se reproduzir. A rápida reprodução espontânea de microalgas em ambientes aquáticos chamada de floração pode ser um indicativo de poluição causada por atividades humanas domésticas e industriais que são capazes de fornecer grandes quantidades de componentes químicos metabolizáveis pelas microalgas, por exemplo, nitrogênio, fósforo, magnésio, zinco, cálcio, ferro, etc.

Imagem: Floração de algas no mar Cáspio. (Fonte: Wikimedia)

 

Presentes naturalmente nos mais diversos locais do planeta, as microalgas são  cultivadas para utilização em produtos que possuem valor agregado em média e pequena escala em países como China, Estados Unidos e França, além de terem histórico de cultivo tradicional em países orientais para a obtenção de espessantes utilizados na culinária. O valor das microalgas para a nutrição animal e humana é imenso. Elas podem ser fonte de variadas vitaminas como a vitamina k e a vitamina B12 como também representam uma valiosa fonte de proteínas e ômega 3. A Spirulina e a Chlorella são as principais microalgas utilizadas para suplementação alimentar humana e muitos apontam que sejam os alimentos do futuro pela facilidade de cultivo, menor  impacto ambiental, alto teor de  nutrientes e alta versatilidade. 

Imagem: Biomassas de chlorella e spirulina

 

Porém, as microalgas possuem outras aplicações além da utilização em alimentos. O seu amplo espectro de aplicação e utilização é o que desperta e garante o interesse de pesquisadores e startups nos estudos e aplicações práticas desses microrganismos que podem ser utilizados para: obtenção de óleos extremamente valiosos como o ômega 3, tratamento de efluentes da indústria de biocombustíveis, obtenção de componentes de cosméticos e tratamento de dejetos suínos. Além disso, através de um estudo da Fiocruz apresentam indicativos de serem úteis no combate ao vírus influenza com a utilização de determinados extratos microalgais. 

Apesar das várias aplicabilidades e das substâncias metabolizadas por microalgas que se tem conhecimento atualmente, ainda existe muito a descobrir sobre estes microrganismos e a expandir suas utilizações que até o momento  se encontram restritas a poucas empresas e startups mesmo que seus benefícios sejam evidentes. Alguns estimam ainda que existam entre 200.000 e alguns milhões de espécies de microalgas com diferentes potencialidades e oportunidades de utilização.

 

Imagem: Mercado para produtos de microalgas (Fonte: Agroenergia em revista: microalgas. Embrapa 2016)

 

Fontes:

Agroenergia em revista: microalgas. EMBRAPA

Derner, et al. Microalgas, produtos e aplicações - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA -

Lopez, et al. Microalgas: ecologia, biodiversidade e importância

Pesquisar por:

Receba Novidades

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.